Este blog acaba de nascer de uma conversa íntima entre dois amigos, com gostos e ideias bastante similares em relação à vida e ao sexo.

19
Jan 09

Às vezes custa fingir que acredito em coisas que não passam de mentiras. Mas pelo bem da " humanidade ", digo que sim, que tudo bem.

Fecho os olhos e vou seguindo em frente assim, com eles bem fechadinhos. Dá jeito e menos chatices, e até pode ser que passe.

Com aquele nó na garganta e a alma musculada, armada em forte, pergunto-me se será pena, amizade, respeito ou amor. Junto um mais dois, acrescento o óbvio e ponho a última hipótese de parte. Hesito entre a segunda e a terceira, e começo a acreditar que estão lá as duas. Encho o peito e interiorizo que depois de tudo dito já não preciso de esperar nada, o que por um lado é um alívio.

Passar por esta vida à espera de alguma coisa que não chega, e finalmente se torna claro que nunca vai chegar, destrói o que sou e impede-me de tentar ser quem gostaria. Agora posso voltar a ser menos alguém e mais eu: uma mulher que sente, sente profundamente. Dá, recebe, chora, e é mais fiel aos seus sentimentos do que gostaria. A mulher ingénua e pura, aquela que chocou por afinal ter desejos e vontades, e que às vezes consegue ser uma fortaleza e se recusa a derramar mais uma lágrima. Aquela que agora se compromete a seguir em frente.

Por isso esta mulher vai fazer uma pausa.

publicado por L. às 13:12
música: White Flag - Dido
tags: , ,

Janeiro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


Conversas Recentes

Em Pausa

subscrever feeds
"Deves querer comer-me não"
pesquisar
 
blogs SAPO